Volatilidade – O novo normal da Soja

Volatilidade – O novo normal da Soja

O USDA estima que 90% da área de #soja foi plantada no meio oeste e no acompanhamento das Condições de safra, o órgão divide da seguinte maneira as lavouras:

6 pp ruim/muito ruins – 27 pp regulares – 67 pp boas/excelentes.
Em 2020, no mesmo período, as lavouras totalizavam 4, 24 e 72 pp, respectivamente.

A temporada já começa nervosa e deve garantir momentos de grande especulação pela frente.

Embora ainda seja cedo, não se pode deixar de considerar que para que os americanos alcancem a produtividade inicialmente projetada pelo órgão em 50.8 bushels/acre, as plantas deveriam estar em melhores condições que às apresentadas por agora.

Mesmo sem ainda saber a área destinada à soja, fato que só saberemos após a divulgação da acreagem no final de junho, esta é uma safra que não permitirá qualquer possibilidade de perdas. ((Isto estamos todos cansados de saber e reforçar.))

Aliás, a mera cogitação de possíveis prejuízos tornará o mercado cada dia mais reativo às especulações e vulneráveis à grandes oscilações como as que vimos acontecer no pregão deste domingo/segunda em CBOT.

No caso de perdas na safra norte americana durante o verão (mapa trimestral trabalha com temperaturas altas e chuvas abaixo do normal), os estoques disponíveis  apertados lá e aqui, só confirmam que o reequilíbrio do quadro de oferta somente aconteceria quando a América do Sul fizesse a reposição da sua safra, fato que aconteceria de forma escalonada a partir de janeiro de 2022. E embora ninguém aqui agora queira considerar esta possibilidade, fundos de investimento já monitoram as condições secas atuais e os mapas estendidos para a América do Sul.

Como comparativo, a produtividade média da soja observada nos 18 estados produtores em 2020 foi 50.2 bushels por acre.

Apertemos os cintos! Andrea Cordeiro

https://downloads.usda.library.cornell.edu/usda-esmis/files/8336h188j/tt44qh55r/rf560444w/prog2421.pdf